Pele das mãos seca: cuidados a ter ao usar gel desinfetante

 

Desde cedo que nos habituámos a ouvir os profissionais de saúde a recomendar a lavagem frequente das mãos e a utilização de gel desinfetante como duas das formas mais eficazes de reduzir infeções e eliminar vírus e bactérias. Por outro lado, são também conhecidos os impactos que o clima tem na saúde da pele: as oscilações típicas do tempo mediterrânico – com verões mais secos e invernos mais frios ou chuvosos. Todos este fatores em conjunto tornam rapidamente a pele das mãos seca, irritada e áspera.

Como devemos, então, prevenir e agir para encontrar um ponto de equilíbrio para a pele dasnossas mãos?

Os problemas do uso recorrente do gel desinfetante para mãos

  • O gel desinfetante à base de álcool tornou-se uma alternativa simples e prática para desinfetar as mãos, sempre que não se encontrem sujas ou se não tivermos acesso a água e sabão. Agora, é possível transportar este líquido em pequenos frascos para qualquer lado, o que nos permite realizar atos básicos de limpeza das mãos a qualquer hora e momento do dia.

 

  • O problema é que o uso recorrente de desinfetantes pode remover os lípidos naturais que hidratam e protegem a derme. Assim, tendem a deixar a pele das mãos seca e a provocar descamações, fissuras, unhas quebradiças e sangramentos.

 

  • Estas complicações agravam-se quando falamos de faixas etárias com pele naturalmente mais sensível ou fina, como é o caso das crianças e dos idosos. Igualmente afetadas são as peles com tendência a eczemas, dermatites, psoríase ou qualquer outra doença de pele, para as quais a aplicação diária de gel desinfetante pode ser um fator de agravamento ou aceleração da sua condição.

Os cuidados a ter com a pele das mãos

Existem cuidados que ajudam a contornar o problema da pele das mãos seca e a mantê-las mais saudáveis. Fique com alguns conselhos:

Tenha atenção à composição do gel desinfetante

O primeiro passo é evitar recorrer somente ao álcool etílico, pelo nível alto de desidratação que provoca nas mãos.

Idealmente, procure ou faça um gel que, além da percentagem de álcool recomendada – acima de 60% de teor alcoólico –, tenha também Aloé Vera na sua composição.

Evite a utilização de produtos abrasivos para a pele

Este cuidado é particularmente importante quando falamos dos cuidados das unhas – que também podem enfraquecer com o uso do álcool desinfetante para as mãos.

Devemos optar, por exemplo, por removedores de verniz com ou sem acetona, mais suaves e eficazes, preferencialmente com adição de óleos hidratantes, como o removedor de verniz da Cien.

Utilize regularmente um creme hidratante para o cuidado das mãos

Usar creme hidratante é um passo incontornável no cuidado das mãos, que permite contrabalançar a sensação de secura do álcool desinfetante. Não devemos, no entanto, esquecer que cada tipo de pele exige cuidados específicos.

Quando temos a pele das mãos seca ou danificada, podemos dar preferência a cremes com componentes hidratantes mais concentrados, como é o caso do creme para mãos SOS da Cien.

Opte por um creme com fator de proteção solar

Existe ainda o cuidado, muitas vezes negligenciado no inverno, de escolher um hidratante com fator de proteção solar, que previna o envelhecimento precoce e proteja a derme contra a exposição solar direta ou indireta.

Nestes casos, pode escolher o creme para mãos Q10 da Cien, uma vez que a precaução não se aplica só ao rosto ou ao corpo no geral, mas também às mãos, que estão constantemente expostas às agressões do exterior.

Para evitar ficar com a pele das mãos seca e áspera, deve seguir uma rotina de cuidados que não podem ser menosprezados, sobretudo numa altura em que aumentou a utilização do gel desinfetante. Proteja as suas mãos e mantenha-as saudáveis.

MAIS PARA DESCOBRIR, TODOS OS DIAS