A pandemia de COVID-19 teve, e continua a ter, um efeito muito concreto na nossa vivência diária. As crianças não são, evidentemente, exceção. Como tal, o complexo contexto que atravessamos levanta uma série de desafios e dificuldades ao processo de crescimento e desenvolvimento infantil. Combater o medo e a ansiedade, cultivar a saúde mental e física, contrariar o isolamento ou estimular a brincadeira são, assim, questões determinantes. Para o ajudar a conhecer e mitigar os efeitos da pandemia nas crianças, reunimos alguns conselhos úteis. Ora espreite.

Efeitos da COVID-19 no desenvolvimento infantil

Como combater os efeitos da pandemia nas crianças

Ainda é cedo para percebermos a dimensão do impacto que o atual contexto pandémico terá no bem-estar e no desenvolvimento de crianças e adolescentes. Contudo, são já vários os estudos empreendidos acerca desta matéria que nos permitem tirar algumas conclusões.

Num trabalho realizado pela Universidade Católica, por exemplo, sustenta-se que o primeiro confinamento aumentou a ansiedade e a irritabilidade das crianças e dos jovens em Portugal. Além disso, também o sedentarismo se evidenciou: no confinamento, menos de 25% das crianças e dos jovens praticou mais de uma hora de exercício diário, sendo que, antes, este número situava-se acima dos 50%.

 

Por sua vez, também a UNICEF elenca alguns dos principais efeitos da pandemia nas crianças portuguesas. Na lista, podemos destacar os seguintes fatores:

  • Desigualdade no acesso à educação a distância, relacionada com os recursos disponíveis e com o acompanhamento existente em casa;
  • Aumento dos casos de insegurança alimentar, devido à perda de rendimentos por parte das famílias;
  • Crianças com necessidades com acesso mais dificultado à educação especializada e ao acompanhamento de saúde;
  • Redução das oportunidades para brincar;
  • Crianças em maior risco de abuso nas suas casas e online, bem como de exposição a situações de violência doméstica.

De notar, por fim, que este quadro tenderá a repercutir-se na saúde mental dos mais jovens. A ansiedade pode, pois, ser provocada por fatores como: as preocupações oriundas do desenvolvimento da própria pandemia, o medo do contágio ou da letalidade que lhe está associada, as medidas de isolamento social, que dificultam o vital convívio com os pares e a vivência regular da infância.

Como combater os efeitos da pandemia nas crianças

Estreitar laços

Estreitar os laços afetivos

Mais do que nunca, é crucial que a atmosfera de casa seja marcada pelo carinho e pela compreensão. Nesta altura, os membros mais jovens do agregado familiar precisarão de uma sensibilidade maior relativamente aos seus medos e às suas ansiedades.

Ainda que os episódios de agitação, birras e irritação se tornem mais frequentes, é imprescindível que a resposta seja, sempre que possível, tranquilizadora e estável. Por outro lado, deve elogiar sempre as boas atitudes.

Canais de comunicação abertos

Canais de comunicação abertos

Outra das formas de controlar e reduzir os efeitos da pandemia nas crianças é assegurar o estabelecimento de um diálogo frequente e franco. Dê-lhes espaço para exporem questões, ansiedades e medos — estejam eles relacionados com a escola, com os amigos ou com as medidas de distanciamento social. Em todos esses momentos, procure ser compreensivo e sincero, adaptando o conteúdo da comunicação à maturidade do petiz.

Espaço para brincar

Espaço para brincar

Claro que os encarregados de educação têm o dever de assegurar que a vida escolar das crianças decorre com a normalidade possível durante esta fase. No entanto, além do necessário controlo dos trabalhos de casa e dos tempos de estudo, é imprescindível que se crie uma rotina saudável, na qual se inclua o tempo para a brincadeira.

Não se esqueça de que estes momentos são estruturantes no desenvolvimento físico, cognitivo e emocional dos mais jovens. Promover espaço para correr, saltar, jogar, desenhar, brincar ao faz de conta ou ler é, portanto, fundamental. Contrarie o sedentarismo e estimule as atividades ao livre.

Ainda que o contexto que vivemos seja propenso a criar medo e ansiedade nas crianças, os tutores são determinantes na criação de um clima seguro e mais tranquilo. Siga as nossas dicas, proteja a sua família e cultive felicidade.

Mais para descobrir