A que temperatura devemos beber o vinho

Depende do vinho. O corpo, as castas, o teor alcoólico e a concentração de um vinho reagem de forma diferente a diferentes temperaturas. Assim, se bebermos cada vinho à temperatura correcta, podemos retirar deles maior prazer. Vinhos espumantes, brancos e rosados, e até tintos e generosos, são mais agradáveis se bebidos frescos. Mas não demasiado. Se o vinho ficar gelado, as suas características ficarão adormecidas, o vinho ficará praticamente sem aromas e sabores. Já temperaturas demasiado altas, fazem o vinho perder as suas características sensoriais, ficando apenas a sentir-se o álcool. Pegue num termómetro de vinho, observe a tabela abaixo e faça a experiência.

Temperatura e tipos de copos

Um copo para cada vinho

Sim. O vinho é melhor apreciado quando bebido num copo adequado. Todos eles deverão ser leves e de vidro fino (evidenciam as características do vinho), de pé alto (para que o calor da mão não aqueça o corpo do copo) e sem desenhos (para se poder ver com nitidez a cor e limpidez do vinho).

O corpo do copo deverá ser arredondado, com uma boca mais estreita, para afunilar os aromas. Quanto mais estreita esta abertura for, maior será a concentração de aromas dentro do copo. Assim, copos maiores e mais afunilados servirão para vinhos mais estruturados e complexos. Copos mais abertos e de menor dimensão para vinhos mais simples. Esqueça então a clássica divisão dos copos maiores para tintos e copos menores para brancos. Brancos complexos fermentados em madeira, por exemplo, podem ser perfeitamente servidos em copos grandes; e tintos mais leves em copos menores. Já os espumantes e champanhes deverão ser servidos em flutes (para melhor observação da bolha) ligeiramente abauladas (para se sentirem melhor os aromas). Na mesa, os copos devem ser colocados logo acima dos pratos, do maior para o menor, tantos quanto forem os vinhos servidos.

Mais para descobrir, todos os dias