| Artigo escrito pela nutricionista Mariana Abecasis 

Muito se fala hoje em dia na dieta paleo ou dieta do paleolítico.

Mas então em que consiste esta dieta? Em que se baseia este tipo de alimentação?

 

Mais do que falar em dieta, acho que faz sentido falar em regime alimentar Paleo. Isto porque considero que mais do que uma “dieta pontual” ou da moda é uma forma de encarar a alimentação e uma filosofia de vida.

Base da Dieta Paleo

Base da Dieta Paleo

Este tipo de alimentação tem como influencia base a alimentação dos nossos ancestrais caçadores-recoletores e defende uma alimentação à base de:

  • Alimentos frescos e naturais,
  • Sem processados, lácteos ou cereais,
  • Rica em fontes de gorduras saudáveis, carne, peixe, marisco, fruta,
  • Legumes da época, sementes, bagas e frutos secos.

Naquela época a alimentação centrava-se no que a natureza tinha para oferecer e naquilo que cada tribo caçava. Ainda sem recurso à agricultura ou exploração animal, o pão, os cereais ou qualquer alimento processado não existia, bem como os lacticínios.

Assim, a dieta Paleo defende uma alimentação pobre em hidratos de carbono (estes devem provir apenas da fruta, bagas e tubérculos), rica em proteína e moderada em gorduras (de boa qualidade).

Defende uma alimentação rica em nutrientes de verdade e exclui os “nutrientes” fabricados

Principais características da dieta paleo?

  • Alimentação rica em fibras (pelo consumo de raízes, folhas, frutos, bagas e sementes),
  • Muito rica em proteínas (pelo consumo de carne de caça, ovos, peixe, marisco e bivalves);
  • Rica em gorduras saudáveis, nomeadamente ácidos gordos ómega 3 (proveniente do peixe, marisco, bivalves, sementes e frutos secos);
  • Muito rica em vitaminas, minerais e antioxidantes (pela abundante quantidade de folhas, frutos, bagas);
  • Sem hidratos de carbono de alto índice glicémico;
  • Sem produtos láteos nem derivados;
  • Sem cereais e derivados.

Alimentos permitidos na Dieta Paleo

  • Vegetais (todos, dando destaque aos vegetais da época);
  • Fruta (toda, priorizando sempre a fruta da época);
  • Tubérculos e raízes (como batata-doce, mandioca, inhame e batata);
  • Carne (privilegiando a carne de pasto e de caça);
  • Peixe selvagem;
  • Mariscos e moluscos;
  • Ovos (biológicos ou de galinhas criadas ao ar livre);
  • Oleaginosas (frutos secos como amêndoas, cajus, nozes...);
  • Sementes (de sésamo, abóbora, girassol, linhaça e chia);
  • Gorduras, como óleo de coco e azeite;
  • Chá e café (sem açúcar de adição).

Alimentos não permitidos na Dieta Paleo:

  • Cereais no geral e todos os seus derivados (trigo, arroz, centeio, aveia, milho, quinoa, pão, massas...);
  • Leguminosas (Feijão, grão, favas, lentilhas, soja, tofu);
  • Laticínios (leite, iogurte, queijo, natas);
  • Gorduras como óleo refinados, manteiga e margarinas vegetais;
  • Produtos processados (refinados, com adição de açúcares, sal, óleos, corantes...);
  • Açúcar de adição e alimentos açucarados;
  • Carnes processadas (como bacon, mortadela, salsicha, fiambre, presunto, salames, paio...);
  • Sal de adição.

 

Apesar de todos os seus princípios saudáveis, pode ser um pouco limitativa, uma vez que não defende uma alimentação livre e personalizada, mas sim uma alimentação balizada por uma lista de alimentos permitidos e não permitidos.

 

Assim, tal como em todos os regimes mais restritivos, apresenta vantagens e desvantagens no seu seguimento.

Benefícios da Dieta Paleo

Benefícios da Dieta Paleo

Como principais benefícios destacam-se o apelo aos alimentos de verdade e consequentemente a sua riqueza nutricional.

É um tipo de alimentação que aparece associada a um maior controlo ou redução do peso, devido à sua riqueza em proteína e fibra, que favorece a sensação de saciedade e maior atividade do metabolismo, e também a um maior controlo dos níveis de glicemia (níveis de açúcar no sangue), melhoria da qualidade da pele e à prevenção de doenças cardiovasculares.


É um tipo de “dieta” ou alimentação que não tem um período de tempo pré-estabelecido para o seu seguimento, uma vez que se trata de uma alimentação natural e saudável.
Importante, no entanto, relembrar que apesar dos seus princípios, pode não ser indicada para todos ou pode carecer de ajustes e adaptações.

Principais desvantagens da Dieta Paleo

  • Pela sua riqueza em proteína pode não ser indicada em casos de problemas renais, problemas hepáticos ou para quem sofre de osteopénia ou osteoporose;
  • Pela sua pobreza em hidratos de carbono pode levar à sensação de fraqueza, cansaço e falta de energia;
  • Pode ser considerada monótona, limitativa e restritiva (uma vez que quatro dos sete grupos de alimentos da roda dos alimentos estão ausentes);
  • Pode levantar dificuldades na sua adaptação à vida moderna e à alimentação disponível nos dias de hoje (tentar ter uma alimentação parecida à que se tinha há dois mil anos, pode ser um verdadeiro desafio);
  • O consumo excessivo de carne pode ser prejudicial à saúde (principalmente porque as carnes e matérias primas disponíveis nos dias de hoje não têm as mesmas características e riqueza de há 2 mil anos atrás);
  • É um tipo de alimentação que pressupõe um gasto calórico diário equivalente ao que era gasto pelo homem do paleolítico, o que não acontece na grande maioria dos casos (podendo haver um desfasamento entre a energia ingerida e a energia gasta).

 

Assim, a dieta paleo não pode nem deve ser considerada uma recriação da alimentação e do estilo de vida dos nossos antepassados. Isso seria impossível, tendo em conta a realidade atual. 

 

Deve ser sim encarada como um modelo composto por diretrizes e linhas orientadoras que devem ser adaptadas e personalizadas de acordo com a realidade e necessidades individuais de cada um.

Mais para descobrir