Envelhecimento da pele: há um contributo da genética?

Todos ambicionamos ter uma vida feliz, saudável e longa. No entanto, ninguém deseja que o envelhecimento da pele se torne num espelho demasiado fiel da soma dos anos. O aspeto do maior órgão do corpo humano é um importante cartão de visita, sendo uma janela aberta para o equilíbrio e bem-estar do nosso organismo. Contudo, mantê-lo com uma aparência cuidada e saudável é um desafio de dificuldade crescente ao longo da vida.

Com o envelhecimento, a pele vai perdendo a sua capacidade regenerativa e a sua elasticidade, uma vez que há uma diminuição da espessura da epiderme e uma redução da secreção de sebo pelas glândulas sebáceas. Nesta história, um dos mais temidos e conhecidos protagonistas do “lado negro da força” são as rugas. Mas como surgem? Por que envelhece a pele? É fruto da genética ou dos comportamentos que adotamos ao longo da vida?

Aparecimento de rugas: herança ou produto do contexto?

São vários os estudos que se têm vindo a debruçar sobre esta questão. Para perceberem em que medida é que os genes influenciam o envelhecimento da pele, os cientistas têm recorrido à análise comparativa de gémeos verdadeiros e falsos. Segundo um desses estudos, publicado em 2017 no livro Textbook of Aging Skin, cerca de metade das variações na pele, resultantes do seu amadurecimento, devem-se a características inscritas no ADN. A título de exemplo, estima-se que os fatores genéticos influenciem 55% do surgimento de rugas no rosto e 41% do aparecimento de manchas na pele.

Importa não esquecer que, nesta balança, os fatores de contexto e de comportamento têm tanto peso na aparência e saúde da pele como a roleta russa da genética. A exposição desprotegida e excessiva ao sol, o stress, a poluição do ar, o excesso de peso, a falta de descanso ou o consumo de tabaco podem acelerar o envelhecimento da pele. Todas estas variáveis contribuem para a diminuição da produção natural de colagénio e ácido hialurónico, reduzindo a firmeza e a elasticidade da pele.

Envelhecimento da pele: saiba como contrariar os genes

Mesmo que a sua pele tenha uma tendência genética para envelhecer rapidamente, não precisará de encontrar a fórmula mágica do elixir da juventude para retardar esta predisposição. Até aos 30 anos, o processo de regeneração da pele é garantido com eficácia, desde que sejam assegurados os básicos cuidados de beleza, como a hidratação diária e a esfoliação semanal. Contudo, a partir desta altura deve começar a aplicar os primeiros cuidados de pele orientados para o tratamento das pequenas zonas vincadas do rosto. Lembre-se que é importante utilizar produtos adequados para a sua faixa etária e necessidades específicas.

Antienvelhecimento Cien

Mais para descobrir, todos os dias