Como aprender a lidar com a solidão em tempo de confinamento

A solidão não é um sentimento novo, mas ninguém duvida de que com a pandemia da Covid-19 se agravou. Tivemos de aprender uma nova forma de estar com quem mais gostamos, evitando contactos físicos e mantendo o distanciamento. Agora que foram tomadas medidas para um novo confinamento em Portugal que nos pedem mais restrições, é natural sentir-se sozinho e cansado. Devemos, portanto, encontrar respostas urgentes para como aprender a lidar com a solidão nestes tempos que vivemos. Nós ajudamos.

Como aprender a lidar com a solidão

Como aprender a lidar com a solidão

Sabemos que a solidão é prejudicial para a saúde e que, além de condições mentais, pode aumentar o risco de doenças físicas na mesma medida que a obesidade ou o tabagismo. Assim, cada vez mais é necessário saber como aprender a lidar com a solidão. De modo geral, alguns dos conselhos dos psicólogos – e que devem ser adaptados ao novo contexto, mantendo a devida segurança para evitar contágios – são:

  • Fazer atividades de que goste e dedicar-se a serviço comunitário;
  • Perceber o porquê da solidão, perceber os seus efeitos e saber que quer mudar;
  • Relacionar-se com pessoas que têm atitudes, interesses e valores semelhantes;
  • Esperar o melhor dos relacionamentos sociais, sem se levar pelo medo da rejeição.

Neste contexto, à solidão acresce a ansiedade de não poder manter algumas rotinas de que gostava. Por isso, além de manter o contacto por via digital e não se isolar, é importante aproveitar para se dedicar a si, à sua própria companhia e ao que realmente gosta. Veja as nossas dicas:

Dedique-se ao que gosta

Dedique-se ao que gosta

  • Atividade física divertida: aulas virtuais, exercícios em casa ou simplesmente colocar as suas músicas favoritas e dançar na sala ou na cozinha. O importante é mexer-se!
  • Mudanças no lar: aproveite para organizar, mudar os móveis e procure online ideias de decoração, jardinagem e bricolage, para renovar o seu refúgio.
  • Cultive-se: pintura e trabalhos manuais, escrita e leitura, costura e cozinha, fotografia e filmes. Em grupos virtuais ou individualmente, experimente algo novo.
  • Estar presente: se está em confinamento com a família, invista algum tempo em estarem juntos.
Aproveite para ajudar os outros

Aproveite para ajudar os outros

Dedicarmo-nos aos outros pode ser um verdadeiro bálsamo para o nosso bem-estar. Assim, existem pequenos passos que pode dar sem descurar a sua proteção:

  • Compras: quando for ao supermercado, faça as compras também pelo vizinho que não pode ir.
  • Fale por telefone: aliás, nem precisa de sair de casa para ajudar quem está isolado a sentir-se um pouco mais acompanhado.
  • Investigue opções de voluntariado virtual, iniciativas e projetos para ajudar outros em tempos de pandemia.
  • Tenha atenção a grupos vulneráveis: se a solidão nos idosos em Portugal era já elevada, a pandemia veio aumentar este problema. O isolamento social pode contribuir para um declínio cognitivo e físico mais acelerado nesta idade.
Continuar em contacto

Continuar em contacto

Embora não seja o mesmo, a tecnologia facilita o contacto à distância. Por exemplo:

  • Jantares virtuais: desafie os seus amigos e a sua família para um “encontro” semanal.
  • Jogos: através de uma videochamada, podem fazer quizzes, jogar ao STOP, fazer tertúlias ou descobrir outros jogos online.
  • Cinema: planeie sessões de clássicos da sétima arte à distância (com direito a pipocas!).
  • Contacto diário: mensagens e chamadas apenas para falar do dia, contar uma peripécia, partilhar uma graça que vimos nas redes sociais ou desabafar já ajudam.
Dolce far niente

Dolce far niente

E não fazer absolutamente nada? Parece uma opção descabida, mas é muito necessária. Ou melhor: não ter a pressão de só fazer coisas produtivas e com um objetivo. Portanto, aproveite para descansar ou ver aquele programa que é um “guilty pleasure”. Às vezes, só precisamos mesmo de parar um pouco e apreciar estarmos sozinhos.

Aceitar o que sente

Aceitar o que sente

Neste contexto de pandemia e isolamento, é natural sentir tristeza, raiva, desânimo, ansiedade, angústia, independentemente da idade. Por isso, aceite e tente não pensar demasiado, faça atividades de que goste e desfrute da sua própria companhia. É menos complicado saber como aprender a lidar com a solidão e aproveitar o tempo sozinhos se estivermos confortáveis connosco. Além disso, não hesite em pedir ajuda e consultar um profissional se considerar necessário.

 

Acima de tudo, mantenha-se protegido, não descuide o seu bem-estar físico e emocional, e informe-se de forma fidedigna, sem cair num desespero informativo. Podem ser tempos complicados, mas juntos podemos torná-los um pouco mais empáticos, solidários e leves para todos.

MAIS PARA DESCOBRIR